Home » ANÁLISE: MCL36, essa não tínhamos visto

ANÁLISE: MCL36, essa não tínhamos visto

A McLaren optou por continuar a compreender melhor o seu carro durante a semana de testes.

Atualizações aqui e ali, novos fundos e muito trabalho.

Infelizmente a notícia mais sonante não foi… positiva, ou melhor, até foi… Daniel Ricciardo testou positivo à covid 19 e, portanto, todo o trabalho recaiu sobre Lando Norris (coitadinho daquele pescoço).

Malandros, esta escapou-nos

O motivo pelo qual o McL36 nos trás aqui, até já estava presente no dia da sua apresentação, simplesmente não o vimos.

De qualquer das formas, nessa altura apelidamos o McLaren como uma obra de arte. Justo adjetivo? Antes de continuarem passem na primeira análise ao carro e julguem por vocês mesmos.

Não se preocupem, nós esperamos.

Deixamos a imagem de um gatinho para os que já leram e esperam connosco:

O gato de Imola

Boa, voltaram. Então vamos lá.

O McLaren tem uma entrada de ar no T-Tray.

No quem? No tray! T quê? T TRAY PORRA.

Eh pah, metam uma imagem disso, credo!

Pronto, o T-Tray é aquela parte por baixo do nariz do carro, no local onde este termina, como se pode ver aqui:

T-Tray de um RedBull o qual não nos demos ao trabalho de confirmar qual.

E aqui, o T-Tray do McL36:

Imagem é do auto motor und sport, não encontramos outra, daí realçarmos isto

Levanta-se a pergunta, para onde vai este fluxo? Qual o papel que desempenha? Se ninguém o ouve, ele existe mesmo?

A resposta na verdade é muito simples, a McLaren está a utilizar o fluxo da parte inferior do carro, para dar velocidade ao fluxo que passa por baixo dos pontões.

Confuso? Não é, explicamos:

O fluxo cria um défice de pressão, e portanto mais carga aerodinâmica, é uma solução engenhosa e muito bem explorada pelos engenheiro da McLaren.

Aqui podemos ver o seu funcionamento, reparem na entrada deste duto, quando o fundo está montado, cria um túnel:

o fundo do McL 36

Um verdadeiro duplo fundo?

A McLaren consegue assim reaproveitar fluxo com bastante energia, não só tem a capacidade de gerar mais carga aerodinâmica, mas dado possívelmente à sua força, será pouco perturbado por ar turbulento ao redor dos pontões.

Caso existam ainda dúvidas, fica aqui mais esta imagem a mostrar o local por onde este fluxo escoa:

Atentai ao verde

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *