Home » ANÁLISE: Os incrementos do RB18

ANÁLISE: Os incrementos do RB18

A RedBull chegou aos testes oficiais da Formula 1 com uma abordagem bem definida. O objetivo de Barcelona pareceu alcançado, agora tratava-se de melhorar a solução já implementada no RB18.

Ao longo da segunda semana, as atualizações no carro da RedBull foram notórias, mas ao contrário da Mercedes, nada radical, mas sim incremental.

As atualizações

Antes de olharmos ao RB18, deixamos aqui a análise inicial do carro da RedBull para contexto.

E agora sim, as atualizações:

As atualizações no RB18

Foram três os principais componentes a sofrerem alterações: o fundo, os pontões e a cobertura do motor.

Estes dois últimos estão agora bem mais esculpidos, e permitem aparentemente canalizar maior volume de fluxo para o difusor.

Como vemos, as diferenças para Barcelona estão lá, mas é notória claramente uma atualização ponderada, com base nos dados da primeira semana de testes.

…olhem lá, e o fundo?

Ah! Sim, o fundo

Foram várias equipas a testarem novos fundos, e o recorte em L parece estar mesmo de volta tal como no ano passado. Ainda que isto signifique menos área de fundo, aparentemente torna-se mais fácil selá-lo, sendo que os benefícios de isto são maiores em comparação com a área efetiva.

O novo fundo do RB18

As linhas verdes representam o fluxo de ar encaminhado pelas aletas na entrada do túnel de Venturi e mais atrás também a verde, o vórtice criado pelo recorte no fundo, este vórtice permite selar o carro dali para trás, e terá também como função “secundária” limpar um pouco o tyre squish.

Tyre squish é simplesmente uma amofada de ar “esborrachada” pelo pneu, a sua turbulência pode afetar a estabilidade aerodinâmica do carro, uma pequena ilustração do fenómeno seria algo como isto:

Tyre squish

É o mesmo que imaginar passar por cima de um balão, o ar precisa de escapar para algum lado. Aqui para além de se afastar para o exterior (bom), também se afasta para baixo do fundo (chato).

Parece estar tudo a funcionar…

O contentamento por parte dos mecânicos da RedBull era visível. Não o conseguiram esconder simplesmente.

Pouco bamboleio se viu enquanto Max Verstappen fazia a sua melhor volta dos testes, o carro parece estável.

Obviamente isto não é suficiente para dizermos com segurança, estamos perante um carro vencedor.

Não sabemos os programas das equipas, e em testes não passaria de adivinhação.

Mas…o carro parece bom…

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *